35 coisas que aprendi em 35 anos

Quando eu fiz 33 anos, publiquei esse texto no blog e no Medium – e as visualizações aumentam a cada semana!

Mas agora estou completando três décadas e meia – 35 anos de idade! – e além de acrescentar mais dois itens à lista, também resolvi discorrer um pouco mais sobre cada um dos pontos. Vamos lá? 🙂

1 – Você é sua prioridade número um, sempre
Isso significa cuidar de você acima de tudo. Do seu corpo, da sua saúde, da sua alma. Desde se alimentar bem, descansar, até escolher sabiamente as batalhas em que vai entrar ou deixar pra lá.

2 – Responsabilize-se por tudo. Saia do papel de vítima
E sempre com equilíbrio. Sim, há muitas coisas que estão fora do nosso controle e temos que aprender a ter paciência e aceitar as coisas do jeito que são. As coisas que podemos controlar – que não são muitas – já são algo de nossa responsabilidade. São as escolhas que tomamos no dia a dia, das pequenas às grandes.

3 – Acreditar em algo — Deus, o universo ou algo assim — é importante
Só Deus sabe o quanto minha fé já foi abalada, não mais de uma vez. Eu não sei se acreditar em Deus ou em espiritualidade funciona pra todo mundo. Talvez não. Mas se isso é o que vai te guiar a fazer escolhas melhores pra você, por que não?

4 – Gostar de muitas coisas não é ruim
O mundo nos diz que temos que escolher apenas um caminho. E quem é multipotencial, como fica? No século 21, com cada vez mais estímulos e áreas do conhecimento sendo exploradas, tem muita gente descobrindo que sabe fazer muito mais do que uma coisa. O segredo está em conseguir vivenciá-las todas ao longo da vida – uma de cada vez.

5 – Cuide de si mesmo
Isso é uma extensão do primeiro ponto. Cuide-se bem, se alimente direitinho, não coma besteiras em excesso – eu fiz isso muito durante a adolescência e no início da idade adulta, e fui parar em um hospital por uma semana para retirar a vesícula e saí de lá com 39 quilos. Também tem a ver com dormir bem, descansar, fazer o que se gosta, nutrir a alma, seja como for melhor pra você.

6 – Veja as coisas de modo positivo
Aos 35 anos, talvez eu não veja mais as coisas de uma forma tão positiva – talvez realista – principalmente se pensarmos no que anda acontecendo no mundo hoje em dia. Mas em um nível mais cotidiano, acho que é importante a gente pensar que, no fim, tudo dá certo sim – mesmo que não tenha dado certo. A gente tem que aprender a confiar no fluxo das coisas.

7 – Sinta suas emoções, as boas e as ruins
Jamais engula o choro. Jamais repreenda a si mesmo pelo que você está sentindo. O que você sente é válido, é importante e você tem todo o direito do universo de sentir isso 100%. Aprender a identificar seus sentimentos também é importante, pois é a partir daí que a gente aprende a lidar e a resolver as coisas, camada por camada.

8 – Você já sabe a verdade
Você já sabe o que gosta e o que não gosta, o que é certo e errado pra você, as pessoas que batem com você ou não. Você já tem um conjunto de valores definido, e embora seja flexível e aberto a mudanças, não deve abrir mão do que seu instinto lhe diz sobre determinadas pessoas, lugares e situações. Se você não se sente bem em relação a algo, é porque esse algo não é mesmo pra você. Procure sua tribo.

9 – Aceite a si mesmo — seu corpo, suas circunstâncias, seus desejos
A gente nasce com um monte de coisas já embutidas na gente – homem ou melhor, preto ou branco, brasileiro, de determinada classe social, com determinada orientação sexual, e essas coisas não tem como mudar. Elas te definem perante a sociedade e te influenciam de forma emocional também. É a partir da suas circunstâncias que você deve escrever a sua história.

10 – Perdoe tudo — por você, não por eles
Quando eu era adolescente, eu queria mudar todo mundo. Se todos fossem como eu queria, o mundo seria bom e eu teria paz. Aos poucos, percebi que as pessoas são do jeito que são – e tudo bem. E se por acaso houver desentendimentos, o importante é ter em mente que todos fizeram o que acharam certo em determinado momento. Deixe ir. Guardar ressentimento não tem valor nem pra você nem pra ninguém. Cada um faz suas próprias escolhas.

11 – Nem todo mundo vai gostar de você e tudo bem
Tem santo que bate, tem santo que não bate. Simples assim. Vivemos em uma sociedade reativa, influenciada pela mídia, que todos os dias nos dias que temos que competir uns com os outros para sermos os melhores. Para isso, eles lançarão mão de qualquer coisa para desqualificar o outro. Saia dessa dança das cadeiras eternas e seja feliz com você mesmo.

12 – Ser adulto é uma mentira. Ninguém se sente adulto (mesmo sendo um)
Se a gente não tiver um pouquinho de criança viva dentro da gente, de que vale a pena viver? Além do mais, ser adulto é só uma consequência da passagem do tempo. Aos poucos a gente aprende a lidar com burocracias, pagar as próprias contas, fazer imposto de renda – nem é tão difícil assim!

13 – O oposto do amor é o medo, não o ódio
Até porque, por trás de todo discurso de ódio, há um medo intrínseco da vulnerabilidade. Todos querem ser fortes. Mas somos humanos e sentir medo é mais do que normal. O importante é não deixar ele tomar conta. Entender o que existe por trás do ódio ou da raiva é fundamental para chegarmos às raízes de nossa vulnerabilidade para entender melhor a nós mesmos e aos outros.

14 – A gratidão é a chave da felicidade
Sim, eu disse isso, e continuo achando que ser grato pelo que se tem é importante sim. Em um mundo absolutamente desigual, quem tem uma casa e comida na mesa todo dia já pode se considerar sortudo. Vamos valorizar as pequenas coisas!

15 – Seja sempre gentil
Sempre. Sempre. Sempre. Incondicionalmente. Sempre. Empatia. Amor. Gentileza. São essas as atitudes que deixam o mundo um pouquinho menos pesado.

16 – Paz é quando você consegue ficar feliz com a felicidade dos outros
E paz é um dos melhores sentimentos que a gente pode ter na vida. A partir de uma consciência menos egoísta e mais coletiva, quando o outro está feliz, a vitória também passa a ser sua. Não é demais?

17 – Conte suas bênçãos
No final de cada dia, se você conseguir agradecer por 5 coisas boas que aconteceram desde que você acordou, acredite, você é abençoado.

18 – Ninguém é obrigado a nada, nunca
Você não é obrigado a namorar com quem não gosta. Não é obrigado a ser amigo de quem não gosta. Não é obrigado a conviver com gente tóxica, a conviver em ambientes hostis, a fazer coisas que você não se sente à vontade. Se esse alarme interno disparar, retire-se da situação imediatamente. Seus limites são extremamente importantes, e também tem a ver com o primeiro ponto: você em primeiro lugar, sempre.

19 – Somos todos iguais e todos diferentes
Somos iguais pois somos todos humanos. Temos um corpo, sentimos dor e fome e frio, dormimos, acordamos, e também sentimos medo, nos apaixonamos, enfim, somos todos feitos da mesma essência. As diferenças – o conjunto de circunstâncias em que somos inseridos – são apenas pecinhas de um quebra-cabeça pra gente poder se encaixar uns com os outros no mundo, dando a sensação de pertencimento. Mas lá no fundo – sim, a gente é tudo igualzinho.

20 – Alimentar-se bem é importante
Eu já falei duas vezes, né? Mas é porque é importante mesmo. O alimento é nosso combustível, e quando a gente é jovem, meio que passa batido. Mas o que você tá comendo agora é seu depósito de saúde pro futuro. Não preciso nem dizer sobre despesas médias, internações e desgaste emocional hospitalar, sem contar a família toda preocupada com você, né?

21 – Não faça tempestade em copo d’água
Quando eu era mais nova, tudo – TUDO – era um problema gigante. A minha psicóloga sempre falava o quanto eu inflava todas as situações na minha vida. E vejo muita gente de vinte e poucos anos fazendo o mesmo. Depois de alguns anos a gente percebe a insignificância dessas coisas pequenas. O Facebook costuma me mostrar algumas memórias de anos anteriores e eu dou graças a Deus por não ser mais aquela pessoa que não sabia lidar com a própria ansiedade. Ou seja: desinfle os problemas. Eles não são tão grandes assim quanto você pensa. A gente acha que sim – e fica indignado quando alguém fala isso – mas você vai ver como é realmente verdade daqui um tempo.

22 – Tem dias que tudo vai ser uma bosta e tudo bem
Sim, tem dias que eu não quero sair da cama. Sim, tem dias que eu não quero trabalhar, nem tomar banho, nem sair de casa. E tudo bem. Ninguém é uma máquina industrial com botãozinho de liga e desliga. Tem dias que você vai querer trabalhar de manhã, outros de tarde e até de madrugada. Apesar de estarmos no século 21, as leis trabalhistas ainda não entenderam que o ser humano simplesmente não funciona na hora que eles querem.

23 – Não faz mal largar um livro no meio se ele for ruim
Isso vale tanto para livros como para pessoas e situações. Não importa se você já investiu tempo, recursos e dedicação a algo – se não faz mais sentido pra você, pra que ir até o fim? Pra provar algo pra alguém? Pra não desperdiçar? Na verdade, você tá sim desperdiçando – tempo precioso e energia pra focar no que você quer de verdade.

24 – Suas necessidades físicas são importantes
Dependendo do ambiente em que estamos, parece que a sociedade nos oprime de tal forma que a gente sente vergonha até de ir no banheiro, espirrar, rir, tossir… o que é bem idiota quando a gente para pra pensar. Ficou com vontade de ir no banheiro? Vai, uai!

25 – Suas necessidades mentais também são importantes
Isso inclui ficar em casa quando você não está se sentindo bem pra ir trabalhar, ou estudar; recusar convites com amigos; ficar abraçadinha com pipoca e Netflix; escrever num diário; ir na psicóloga; e tudo o mais que te fizer sentir melhor com você mesmo.

26 – Não leve tudo tão a sério
Lição sábia de RuPaul. É porque realmente não vale a pena ser sempre tão duro a ponto de não se abrir e não se divertir. Faz parte da nossa natureza rir e achar as coisas engraçadas. A gente precisa de um pouco de comédia de vez em quando – a vida já é dura demais.

27 – Tenha pensamentos positivos sobre dinheiro
Esse é um ponto tão crítico que há milhões de livros escritos sobre o assunto. Ainda mais no Brasil, onde o abismo social é tão grande. Bem, dizem que dinheiro é energia, mas pra mim esse conceito é muito abstrato. A meu ver, acho importante a gente não ficar falando o tempo todo que não tem dinheiro – além de deselegante, é uma energia baixa. Acredito que devemos ser sábios em relação ao dinheiro. Saber lidar com ele, entender o sistema financeiro, os impostos, não entrar em cheque especial, evitar juros, pagar tudo sempre em dia e não dar o passo maior que a perna. Acho que conselhos objetivos assim são melhores do que simplesmente “dinheiro é energia e você deve desapegar das mensagens inconscientes da infância”, sabe? É muito simples: aprenda a lidar com o dinheiro e não gaste muito.

28 – Entregue-se aos seus guilty pleasures
Todo mundo tem algo que gosta e não quer dividir com mais ninguém – e tudo bem! A gente quer conservar aquele série gostosinha de assistir só pra gente, ouvir músicas que a gente acha que só a gente gosta e até entrar num hobby que ninguém esperaria. Vai fundo, bicho. É mais saudável do que reprimir quem a gente é de verdade. E ninguém precisa saber!

29 – Assuma o que você está sentindo. Sinta. E deixe ir
Foi o que eu já disse ali em cima: sinta o que você está sentindo, sem julgar. A gente tem vozes em nossa cabeça com julgamentos da mídia e da sociedade nos dizendo o tempo todo o quanto a gente é errado e inadequado. Encontre a voz dentro de você que diga: você não é errado. Você é humano, e isso é normal. Isso não é inadequado, isso é normal. Tá tudo bem. Somos uma bagunça perfeita.

30 – Não seja tão duro consigo mesmo
Até porque, já não basta os outros, né não? De novo: essa voz interna tá ali o tempo todo nos dizendo que “eu não deveria fazer isso”. Sim, tem coisas que realmente não devemos fazer – mas as que fazem bem pra gente, tem que fazer sim!

31 – A mudança acontece dia após dia, e não de repente
Sabe uma planta? A gente coloca a semente na terra, coloca água e adubo, aí aos poucos ela vai nascer, vai começar a subir um pouquinho, as folhas vão ficando mais escurinhas, aí ela vai virando uma plantinha, até ser uma árvore e se tornar um jequitibá rei! E isso demora pra caramba – tipo as coisas da vida. O paradoxal é que, quando a gente olha pra trás… até que passou rápido, não?

32 – Você não está sozinho. Alguém lá fora entende perfeitamente o que você está passando
Isso é tão importante. É tão importante ter alguém ou um grupo de apoio pra você desabafar e perceber que não é a única pessoa no universo a sentir o que você sente. Na verdade, todos nós sentimos as mesmas coisas. Mas cada um lida de um jeito. O importante é ter outra pessoa ali te dizendo: sim, eu sei. Eu já senti isso. E eu sobrevivi.

33 – Don’t believe the hype
Sabe todas as mensagens que a mídia passa? Então, desconfie delas. Sou da área da comunicação e metade das coisas serve à política – e a outra metade, à publicidade. As empresas precisam vender produtos e partidos precisam vender ideologias. Simples assim. Se alguma coisa tá super na moda e você não concorda ou simplesmente não gosta, não precisa se forçar a gostar. Goste das coisas que você gosta naturalmente.

34 – Faça pela diversão, não pelo dinheiro
No fim das contas, a profissão ou a carreira que a gente escolhe tem a ver com nossas afinidades pelas coisas. Sim, há profissões que pagam mais ou menos, mas no paradigma atual, até quem entra em carreiras clássicas e supostamente de sucesso não tem emprego garantido, nem estabilidade e bons salários. E se a corrida pelo ouro é tão árdua, por que não correr atrás justamente do que vai te fazer bem? Não pense em termos de esforço, mas sim de dedicação a algo que você gosta. Não pense no dinheiro – ele é a consequência do seu trabalho, seja em que área for.

35 – Defina sua própria versão do amor
O mito do amor romântico foi explorado ao longo dos séculos, mas sua história de amor não precisa se encaixar em nenhum padrão e nenhum molde. A família moderna é diversa – há quem se case na igreja, em salão de festas ou só no cartório, ou nem se case, apenas se “junte”. Há quem use vestido de noiva de outra cor. Há quem more em casas separadas, durma em camas separadas e não faça todos os passeios juntos. Já tem gente que vive grudadinho, quer casar de véu e grinalda e ter filhos. O importante é estar com alguém que queira o que você quer também, e que vocês queiram ir juntos na mesma direção. O resto é resto.

Anúncios